Foto do blog: Mario Lamoglia

quarta-feira, 24 de março de 2010

Interrompemos nossa programação...


Há uns meses atrás tive o primeiro contato com as pulseirinhas coloridas enfeitando os antebraços de meninas e meninos na comunidade em que trabalho. Quem me deu uma aula - de deixar qualquer adulto de queixo caído -  sobre o significado delas e de suas cores, foi uma menina de 9 anos. Fiquei chocada, contatei os outros educadores, falei com amigos, fiz o estardalhaço que elas merecem, onde minha voz alcançava.

Hoje, meses depois, uma amiga ficou em pânico porque seu filho de oito anos chegou com essas pulseiras em casa. O pior é que o pimpolho sabia o que significavam as coloridas siliconadas, mas a diretora da escola nem tinha ideia do que tinha por trás daquelas inocentes pulseirinhas.
Então, resolvi usar mais um canal para alertar pais, amigos, professores, diretores, madrinhas, padrinhos e todas as pessoas que estão rodeadas por anjinhos, do absurdo que está acontecendo nas escolas, nas ruas, nos playgrounds, etc.
As pulseirinhas coloridas feitas de silicone vieram da Inglaterra e falam de sexo. Cada cor tem um significado - do mais puro aos que fazem corar até stripers - e a brincadeira é bem mais hardcore do que a bobinha salada-mista da minha infância. Quando a pulseira é arrebentada por alguém, o ato que ela representa tem que ser executado.

As cores:

Amarela – significa dar um abraço no rapaz
Laranja – significa uma “dentadinha do amor”
Roxa – já dá direito a um beijo com língua
Cor-de-rosa – a menina tem de lhe mostrar o peito
Vermelha – tem de lhe fazer uma lap dance (dança erótica)
Azul – fazer sexo oral praticado pela menina (”boquete”)
Verde – são as dos chupões no pescoço

E as mais fortes (pasmem):

Preta – significa sexo com o rapaz que arrebentar a pulseira
Dourada – fazer todos citados acima ou sexo oral simultâneo (“meia-nove”)
Listrada - sexo na posição "frango assado"
Grená - Sexo anal sem lubrificante
Transparente - sexo com parentes consanguíneos
Marrom - sexo escatológico ("brown shower")

Então, pessoas, cuidem, cuidem, cuidem. Conversem, conversem, conversem.  O mundo tá aí. E ele devora.

8 comentários:

Erica Ferro disse...

Sabe o que eu acho?
Mais idiota é quem cria esses significados.
Quanta idiotice! ¬¬

Inês disse...

CRUZ CREDO!
O pior é que não duvido nada!
Inês.

Sil.. disse...

Que pena isso, estão acabando essas coisas tão lindas das pulseirinhas nos braços das crianças de hoje. Hoje, virou essa coisa degradante.
ÔÔ saudade da minha infância!!

Beijoka Syl!!!

J. disse...

Que horror! Fico chocada com essas coisas...

coracaodepoeta disse...

Sinal dos tempos...


Obrigado ple avisita! Volte sempre que quiser..
E pode ter certeza que voltarei sempre!
:D
Bom final-de-semana!

Gero disse...

Lembro do tempo em que a molecada já fazia troca-troca nos banheiros da escola. Menino x menino, menino x menina. A questao do sexo na infacia sempre existiu da mesma forma que existe hoje. A diferença é que hoje a noticia chega direto na TV e na internet. Ou seja, só não sabe disso quem não quer.

flaviopettinichiarte disse...

estou de acordo com Gero, não é que seja a favor do sexo sem amor , nessa idade ao menos, mas que nós tmb brincamos disso , isso é uma verdade, e quem não brincou talvez deixou de passar por uma fase que é inerente aos mamiferos..o resto é pura degradação dos meios...
bjs!

Marcantonio disse...

Nossa, mas isso não tem pouco a ver com o processo de conhecimento da sexualidade próprio da infância, representado há tempos pelas revistinhas de sacanagem, troca-troca, pêra-uva-maçã, etc. A questão aqui é a utilização de um signo num processo de desnaturalização e banalização, simulacros vazios para gerar comportamentos padrões e não espontâneos. Como quase tudo no nosso mundinho-shopping.E no processo de hipersexualização da infancia, talvez essas pulseirinhas não sejam o mais chocante.