Foto do blog: Mario Lamoglia

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Fênix

Rasgou meus livros
Partiu meus discos
Arranhou os móveis
Quebrou o espelho
Juntou suas coisas
Nem um adeus

Dobrando a esquina
me ouviu sorrir
e lembrou que
esqueceu
de atear
fogo 
em
mim
X


Sylvia Araujo

50 comentários:

Lara Amaral disse...

Uau! Nunca é o suficiente só o fim...

Adorei!

Beijos.

Ana Lucia Sorrentino disse...

Muuito legal... :) Tô te seguindo aqui tb! :)

beeeijos!!!

Suzana Martins disse...

Uauu!!!!

Perfeição!!!

Rasgou um coração,
espalhou as letras
e esquecera, de atear fogo nos versos que fiz para ti!!!

Adorei demais a sua fênix!!!

Beijos

. disse...

Muito bom, Sylvia!

Eis o eterno recomeço, pois enquanto há vida, "não há nem fim nem princípio."

Beijos,
Ane

Milena Martins disse...

Sylvia, passa das três da manhã e, até cinco minutos atrás, eu teria ido dormir.
Vim aqui te dizer que seu blog roubou meu sono... Acho que vou ficar acordada mais um pouquinho.

Kisses a lot de Victoria Page (e lembranças de seu alter ego Milena).

Arnoldo Pimentel disse...

Seu texto diz tudo, a dor da separação, do momento, tudo mesmo.Parabéns,tudo de bom pra você.beijos

Helcio Maia disse...

E nem foi preciso, pois ardeste...de saudade, de vontade, sem vontade de deixar de arder...mas o fogo, logo, será outro, queimará diferente, te tornando, novamente...ardente!

Patrícia Gonçalves disse...

Ótimo! O bom é essa capacidade de se regenerar e começar tuuuuuuuuudo de novo!!!!

Beijo grande ser ardente!!!!

Fabio Rocha disse...

Bela tocha. Bj

Priscila Rôde disse...

rs Amei Sylvia!Meus comentários estão repetitivos, eu sei. Mas, o que dizer? Um beijo, Flor.

Tiago Moralles disse...

Mas volta, certeza.

márcia disse...

Gostei de novo. O feminino em poema curto, o cuidado com a apresentação espacial, que faz parte do impacto. E impacto não é o objetivo da obra de arte? Parabéns, again.

Luciana Marinho disse...

sylvia, você se dá tão bem tanto nos textos curtos como nos longos! essa fênix está redondinha de beleza. que criatividade! esse final é arrebatador! beijos!

Flá Perez (BláBlá) disse...

perfeito! final de matar de bom!
uma leitura primeira se pensa em vingança-morte-figurada-ou-literal, mas é renascimento!
bjbjbj

Paulo Rogério disse...

A dignidade de alguns SOBREVIVE às próprias cinzas... Um tapa de luva!
Importante lembrança quando do recrudescimento da violência contra as mulheres, nem de perto consignada em genéricos "B.O.".
BEIJO!

AC disse...

Soberbo!

Fouad Talal disse...

"Eu me lembro
Do dia em que você
Entrou num bode
Quebrou minha vitrola
E minha coleção
De Pink Floyd..."

Tu és o M.D.C da minha vida

Ave phoenix!

Tania regina Contreiras disse...

Sylvia, Sylvia...ser fênix é pra qualquer um sim,mas nem todos sabem, nem todos ARDEM como deveriam: muito legal!!!
Abraços,
Tânia

Erica Ferro disse...

A dor da partida queima, mas depois abranda; e, depois, volta-se a cantar.

Beijo.

Luna Sanchez disse...

Oh, maldade!

Sylvia, acredita que lembrei de "Soraya Queimada"?

Rs

Beijo, beijo!

υηα

Luna Sanchez disse...

Eita, meu "L" sumiu! oO

ℓυηα

* Agora sim!

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

era um coração sem amor e cultura

Valéria Gomes disse...

Bom demais, minha querida!!!


Beijocas!!!

Marcelino disse...

Belíssimo texto, garota; e a segunda parte com a mudança da cor das letras em sequência passa uma ideia de movimento que casa muito bem com o tema trabalhado: supimpa!

Renata Luciana disse...

o Fim. o Fogo. O começo.

Beijos,

Sandrio cândido. disse...

a lara tem razão, sempre há algo a mais que o fim. realmente um jogo sisuoso de palavras e belo.

porque será que nós temos tendencia a continuar amando e sorrindo a quem já nos disse adeus?
assim parece que é o seu eu lirico.
saudações

Em@ disse...

Como sempre *****, Syl
gostei do "ouvir sorrir".
e visualmente ficou muito bonito
beijo

Hosana Lemos disse...

ateou fogo...mas por dentro!

PERFEITO.

Cecília disse...

Seus textos dão conforto a alma..
Obrigada e parabéns!

=)

Jorge Pimenta disse...

e esta fénix é a... renascida, a dos poetas do barroco?
fantástico o fecho: o "X".
para os corsários e aventureiros, o X marca sempre o lugar que procuramos; para os arqueólogos e exploradores nunca marca o lugar. julgo que esta ambivalência está bem presente no teu texto. que "x" é o teu, afinal?...
beijos!

Nine disse...

nem adeus...
Isso é doloroso...
muito!

beijo

emsgomes disse...

Sylvia, Fênix é ótimo.
Mas uma coisa
Muito obrigado por me apresentar André Rodrigues.
É de se prestar atenção nesse garoto.

Beijo
Evandro

Ivan Bueno disse...

Sylvia, linda.

Que coisa bela este poema. E me ocorreu um movimento de leitura de fênix adaptado, assim:

Eu em fogo.
De atear, se esqueceu
E lembrou-se que
Me ouviu sorrir
Dobrando a esquina.

E se rasgar teus livros, partir teus discos, arranhar teus móveis e quebrar teu espelho, não espere que ele junte suas coisas. Dê o adeus antes e jogue as coisas pela janela. Fênix renasce, mas também aprende.

A vida nos força a sermos "fênix" em muitos momentos. Quantas vidas tem uma fênix? Não sei, mas o que vale é voar alto.

Beijo grande, e saiu aforismo aí.

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Beto Palaio disse...

Esse cara machucou você? Mas deixou sua alma de poetisa intacta... Bjs

PERPLEXIDADE disse...

BELÍSSIMO!!
;D

Paula disse...

Bonito...
Gostei...

Abraço

ONG ALERTA disse...

Foi apenas um sonho...paz.
Beijo Lisette

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

é.... nunca se mata um coração sorridente

gostei demais

A.S. disse...

Tuas palavras são um fogo que não cessa!...

BeijOOO
AL

tonhOliveira disse...



"renaSER"

" !ie...o>v^V " ← abraço!

Tatiana disse...

e o pior é q ainda nao foi uma despedida! Pode apostar
belas palavras

Arnoldo Pimentel disse...

Tem dois selos de presente pra você, um em cada blog abaixo:

ventosnaprimavera.blogspot.com
haikainosventos.blogspot.com

NDORETTO disse...

Exato,perfeito,lindo!!!!

Neusa Doretto
http://poesiarapida.blogspot.com
http://sinceridadebrutal.zip.net

Moni. disse...

Isso é simplesmente fantástico, flor!!!

Encantada!

Lindo sorriso ouvido, que esnoba a destruição em vão...

Beijo, beijo!

Marcelo Novaes disse...

Sylvia,


Não ateou fogo, nem riscou do mapa. Parece conservar a personagem numa mira tremeluzente em frente aos olhos. Vai delirar com incêndios, acordado.





Um beijo.

SANDRA GONÇALVES disse...

Cereja caramelada????
Não pode ser coberta de chocolate????????
Combina mais com esse maestrino poema!!!!!!!!!!!

nas entrelínguas disse...

Sempre crio desconfianças com estas concretudes... fico à pensar se por acaso a forma sugere o conteúdo...
e gostei das variações cambiantes!

Abraço!

« Katyuscia Carvalho » disse...

Syl...

Fantástica tua tocha!!!

Sou louca por poemas visuais...
Um dia, quando e se eu crescer, quero aprender a fazer!

[Deste teu vou querer um autógrafo!!!]

Adorei.
;)

Daniela Delias disse...

Uau! Estou rindo aqui por ter terminado a leitura do poema com essa grito! E aí me deparo com o fato de que várias pessoas que aqui comentaram sentiram o mesmo rs rs...adorei o teu espaço, Sylvia. Que prazer ter te encontrado! Bjos!

Vania Staggemeier disse...

BELISSIMO QUERIDA...
Um jardim com letras da alma...
Aplasossss...
Bjinhosss