Foto do blog: Mario Lamoglia

terça-feira, 6 de julho de 2010

Semente


Ela vivia me dizendo que tinha asas - amarelas, enormes, emplumadas. Mas eu não botava fé. Nunca fui de acreditar em nada que meus dedos não pudessem sentir, ou meus olhos acompanhar. Se era mesmo alada, como é que não voava? Tanto céu por aí, dando sopa. Se fosse eu, dava rasantes por cima do verde do mar e escolhia as minhas estações preferidas, só mudando a direção do voo - norte-sul-além-azul. Um dia, lhe ofereci meu precipício mais alto - o maior dos buracos que trago no peito - só pra ver se ela se jogava lá de cima, corajosa, impetuosa, e flutuava. Mas nada. Ela me disse por trás de um sorriso, que saltar de cima de penhasco é suicídio, e quer mais é viver essa vida danada de boa e ser muito feliz. E disse ainda que as asas só funcionam mesmo na imaginação, quando a gente abre um livro, por exemplo, e vem dele um cheiro, um sentimento, que faz o coração ficar bobo e levantar do chão. Mas meu coração é pedra, eu disse a ela, pedra pesada não rola e nem sonha. E então, ela abriu a boca pequena e rosada e fez soprar lá de dentro aquele vento suave e morno de primavera em flor. E me fez brotar inteira - pétalas multicores me subindo aos montes pela cabeleira. Beija flores dóceis vinham me pousar nos olhos e tiravam levemente meu corpo do chão. Ela, bonita em seus montes de laços de fita, abriu suas asas compridas de sol e me levou pelas nuvens, bem longe dali. Lá, pertinho de onde a tristeza não mora e a beleza explode nos poros da gente, abri meus braços de penas e chovendo salgado, amanheci semente.

Sylvia Araujo

30 comentários:

Suzana Martins disse...

As asas, as cores, as pétalas, sempre voam entre as palavras e o horizonte que livremente espera!!

Lindo demais!!

Beijos

Valéria Gomes disse...

Que delícia!!! Voei contigo nas asas desta imaginação pura e boa de se ter.

Beijos no olhar!!!

Lara Amaral disse...

Lindíssimo! Dá até vontade de ser fértil para brotar algo assim na gente.

Beijos.

Luís Coelho disse...

Bom dia Sílvia
Estou encantado com este texto.
Fui lendo e fui sonhando até à explosão final. Maravilha. Só podia ser a Primavera.

AC disse...

Como é bom voar, como é bom ser semente...!
Onda boa, minha amiga!

Bjs

Jorge Pimenta disse...

sylvia, coincidentemente acabo de postar um texto em que falo de asas... que se despem, fazendo-nos perder os derradeiros bagos de céu...
que inveja dessas tuas asas de sol que, abertas, chovem salgado e amanhecem semente.
belíssima abordagem aos diferentes voos da existência.
um beijo!

Priscila Rôde disse...

Sylvia, que texto é esse Mulher? rs
Alcancei os céus agora!

Maravilhoso!

Tâmara disse...

Voei tã alto e doce..quem me perdi. Não sei voltar. E se um dia eu voltar, te levo comigo em verso, prosa, palavra, rima solta ou como for.

Te tenho carinho.

mil beijos meus.


Tâmara

márcia disse...

Nossa, amei esse texto, que mistura agradável de sons e imagens, narrando uma história e transformando a personagem principal, que coisa linda...Vc demorou quanto tempo pra produzir essa belezinha?

Luna Sanchez disse...

Germina!

* Coisa linda! ^^

Beijos, dois.

ℓυηα

Tania regina Contreiras disse...

Texto que rufla e colore: uma beleza e uma leveza!

Abraços,
Tânia

Daniel disse...

Dizem que o maior desejo do Homem é voar... De qualquer forma, a imaginação nos leva a lugares inimagináveis... Tem texto no Sub Mundos. Bjus.

http://submundosemmim.blogspot.com

Luciana Marinho disse...

"abri meus braços de penas e
chovendo salgado, amanheci semente."

não poderia ter final mais belamente
singelo.

Sandrio cândido. disse...

só passei rapidamente, mas voltarei para ler com mais intensidade estes textos tão intensos.

Patrícia Gonçalves disse...

Coisa mais linda, moça!!!!!!!

quis sentir este vento também..., como quis....

muitas sementes pra você!!!!

Andrea de Godoy Neto disse...

Sylvia, tu bem sabe que eu adoro os teus textos, sempre te digo isso. Mas esse...ahhh, esse foi além. Não sei se foram as asas, ou se por ele ser encantado da primeira até a última palavra...ou foi tudo. e de cada palvra sorvendo espanto e encantamento.

eu ameeeiii!

beijocas muitas

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Como é lindo o florescer...

Um beijo de primavera.

disse...

Lindo, muito muito lindo mesmo! Eu também tenho asas (: Beijos

Jaya Magalhães disse...

Eu quis amanhecer semente, também. Já tenho chovido tanto, que seria uma boa ideia germinar toda essa coisa florida. Eu gosto sempre da primavera, mesmo no inverno.

E se você voar, moça, passa no meu céu. Tô clareando tudo.

Um beijo enorme.

Leandro Jardim disse...

obrigado pelas palavras :)

Juan Moravagine Carneiro disse...

Belíssimo...

beijos!

Rafael Castellar das Neves disse...

Agora, cresça sem limites!!

Muito bom e bonito seu texto...gostei bastante...

[]s

Em@ disse...

Sylvia,
não encontro adjectivo para atribuir a este teu texto.
se gostei? Muito para lá de...e ele remeteu-me para situações de iniciação, como por exemplo na aprendizagem do Reiki.
beijo-te no coração

ah, e as minhas asas hoje têm um tom de fogo. :D

cristinasiqueira disse...

Voce Sílvia escreve criança com dotes de pássaros,mulheres aladas.
Escreve macio,mansinho,um agrado em ternura.

Sinto que é precioso.

Com carinho,

Cris

Insana disse...

to encantade e desejo otimos frutos.

Bjs
Insana

Roberta disse...

que bonito! a experiência rara de ser tomada. o final é um denso equilíbrio: abri meus braços de penas e chovendo salgado, amanheci semente.

volto outras vezes! abundamente.

Joop Zand disse...

Very nice picture.....I like this very much.

greetings from Hollanda, Joop

Castanho Lobo disse...

Coração: pedra pesada não rola e não sonha....em que bosque a moça captura essas palavras?..usa armadilha?...que texto bom....

Marcelo Novaes disse...

Sylvia,



Querubim.




Um beijo.

Lia disse...

Meu Deus, belíssimo, Sylvia...