Foto do blog: Mario Lamoglia

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Neutrino



Amanheceu lentamente em olhos anoitecidos. O peito, enfaixado ponta a ponta de silêncios, chorou baixinho - como quem murmura ao vento frio sentimentos indizíveis. Na cabeceira, a vela acesa da noite escura resistia. Pequena e morna, em seu amolecido derretimento de vela. Aquelas sombras enormes a lhe pegarem pelas mãos geladas. Aquele mesmo conhecido medo a existir sem. Aquele mesmo sem. A resistir só.


Sylvia Araujo

25 comentários:

Juliana M. Mesquita disse...

Bem quando decidi vir aqui ler mais um pouquinho, eis que encontrei o mesmo texto de a pouco do fb! Mas adorei ler novamente! :) Vou passear mais! Beijos!

Patrícia Gonçalves disse...

Ai que saudade de te ler!

Lindo texto como sempre!

beijão, moça!

Cris de Souza disse...

Irresístivel é o teor, o tom, a textura dos teus versos.

Costuras inebriantes, bordados à flor da pele.

Beijos, moaça bonita!

Luís Coelho disse...

Um texto pequeno em tamanho, mas grande nas palavras e na adjectivação.
Gostei dos olhos anoitecidos
Peito enfaixado
Ponta de silêncio

Lua Nova disse...

"O peito, enfaixado ponta a ponta de silêncios..." e como o silêncio dos sentimentos ocos é profundo e doloroso.
E como vc escreve maravilhosamente, menina!
Lindo demais!
Beijos.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Poético de vera e belíssimo!!! ;)

AC disse...

Palavras bem talhadas que exprimem a fragilidade dos nossos precários equilíbrios, a ancestralidade dos medos...

Beijo :)

Nini C . disse...

Muito bom. Textos que falam de medo me atraem... rs... Beijo.

Tatá R. da S. disse...

Lindo, lindo...
Parece minha manhã de ontem. x.x
Sempre com perfeição.
Beijos!

Fouad Talal disse...

quânticas palavras que nos atravessam de sol a só...

bjo moça!

Sonhadora disse...

Minha querida
Adorei o texto...nos meus olhos anoitecidos...vive a solidão.
Adorei.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Luciana Marinho disse...

deu vontade de me cobrir..

beijoca!

Valéria Gomes disse...

Estás sempre além do esperado.

Beijos!!!

Insana disse...

Eu odeio o silencio, é a unica dor que nao sei suportar.

bjs
Insana

Jorge Pimenta disse...

mas... e quando a chama se extinguir?...
beijinho nas sombras da luz da vela!

El Bailaor disse...

Sylvia e seu poder de nos emocionar... A angústia do eu-lírico bateu forte dentro mim...

Maravilhosa como sempre!
Bjs! :)

oquemeinferniza disse...

Lindo texto, Syl, tão puro em tristeza e medo... lindo!

Beijinhos
Líria

« Katyuscia Carvalho » disse...

Só me "apetece", em português do Miguel, fazer um cachecol para o teu texto.

Lindo, Sylvia.

Beijos.

meus instantes e momentos disse...

é bom voltar aqui.
Que bonito ler voce.
Maurizio

Taninha Nascimento disse...

"Aquele mesmo conhecido medo a existir sem. Aquele mesmo sem. A resistir só."

Sylvia, que pena afiada!!

Bjs!

Em@ disse...

Saudades de vir aqui...de te ler.
texto pequeno mas forte. como sempre usaste imagens bonitas para falar do que atormenta tantos de n+os.
beijo no coração.

Dayane Pereira disse...

Adoro vir aqui ler teus versos. ainda que me demore.

Juan Moravagine Carneiro disse...

Que belas palavras...

sempre intensa

beijos

Esta semana estou nos Homens Hediondos

abraço

A.S. disse...

Sylvia...

Apesar da fragilidade da chama, ela ainda consegue rasgar a escuridão!...

BjO´ss
AL

Marcelo Novaes disse...

Sylvia,



A sombra encontra companhia. Morna e solar-velada.










Um beijo.