Foto do blog: Mario Lamoglia

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Óbvio *


Manoelando eu desinvento as dores.
Elas são tão pequenas perto da ausência de charcos pra caracóis, que desaborreço.
Não me faltam paredes. Me esvaziam é lagartixas!
Talvez se eu fosse um prego torto, caco de vidro ou lasca de pedra,
Talvez assim, e só assim, as árvores me brotassem.
A imaginação, pois, é fruta.
E o desencanto, encantamento.
Nos quatro cantos, não há quem me desfaça do nada.
Prefiro hoje o nada, no lugar do tudo que me desorienta.
Manoelando, percebi que o ínfimo é glória!
A complexidade caiu em desuso, agora.
No meu mundo eu vou é pintar violetas, pra ter - em eterno - beija-flores por perto...
Eu vou é desofrer em rios; desacostumar o cio.
Eu vou é desenraizar!

Sylvia Araujo 



"Não gosto da palavra acostumada" 
Manoel de Barros



* Esse texto já foi publicado há quase dois anos atrás. E hoje, passeando pelos Versos de Cor, do criativíssimo Fouad, o seu Aviso me deu vontade de Manoelar de novo por aqui, num diálogo de vozes que não se cansam nunca das insignificâncias da vida - aquelas que nos enchem todos os dias dos mais incríveis significados.

40 comentários:

Lara Amaral disse...

Bom republicar, poema belo, de reinvenções.

Beijo, e o moço Fouad é mesmo de inspirar!

Daniel disse...

Poema interessante e bem anárquico! Tem texto novo no Sub Mundos. Bjus.

http://submundosemmim.blogspot.com

Erica Ferro disse...

Sylvia, escute meus aplausos!

Nossos olhos não enxergam a simplicidade do existir de tudo aqui.

Beijo.

Marcantonio disse...

Fui daqui para lá e voltei. Muito criativo mesmo o Fouad. Estou começando a ficar envergonhado das minhas cismas metafísicas. E já que andamos falando de remédio, vou tentar o biotônico Foutoura!

Abraço.

Em tempo: desenraizar? Sim. Muito bom.

Zélia Guardiano disse...

... vou pintar violetas, pra ter -em eterno- beija-flores por perto...
Então, pronto! Que dizer? Não é preciso. É só desfrutar desta beleza...
Parabéns, Sylvia!
Um abraço

zuleid disse...

Boas coisas devem ser repetidas e repetidas...
Como disse o João é melhor ficar "só sendo"!
Beijos!!!


http://simplesassimzuleid.blogspot.com/2009/07/sendo.html

Clarice disse...

Sylvia,

Que lindo seu espaço, amo o Manoel de Barros e Manoelar é bom demais. Volto mais vezes e levo seu link comigo, beijos querida.

Lucão disse...

Esse valeu a republicagem* :P
Manuelou mto bem, sylvinha.
Mto longe do óbvio.
Texto lindo. Uma coordenada pra nossa vida.
:)

Fouad Talal disse...

Ei Syl! Acabei de construir a ponte do lado de lá, no Versos de Cor.
Beijo imenso menina!

Pequena Poetiza disse...

Adoro Manoelar.
e sempre bom voltar... republicar...
seus novos seguidosres agradecem quando se tiram os ouros do baú pra tomar sol.

beijos

claudete disse...

Adorei Sylvia, faz jus à multidão de maravilhas que habita em você!
Bjs e obrigada pela visita .

quandoeumechamarsaudade disse...

Ah que cantinho mais lindooo ^^

Adorei o texto.

Sigo-te.

Beijo

Estefani

Sabiana disse...

Querida,

Posso imaginar quão lindas serão tuas violetas-chamariz-de-beija-flores.

Bju

Michele disse...

Sylvia, estou encantada com cada um de seus traços. Visitei seu outro blog também, mas me encontrei mesmo nestes versos... Em especial, esse trecho:

"No meu mundo eu vou é pintar violetas, pra ter - em eterno - beija-flores por perto..."

Lindo, doce e suave.
Suas palavras passam por nossa frente quase que dançando.

Um beijo!

Valéria Gomes disse...

Você é, de fato, uma bela e cristalina fonte. Pensava em borboletas e esbarrei em beija-flores! As insignificâncias assumem uma importância sem medidas, quando sentidas e olhadas com os olhos do coração!

Boníssimo fim de semana!!!

Lídia Borges disse...

Criativo e muito interessante do ponto de vista filosófico.

L.B.

Almeida Lucius ™/ Ulisses Reis ®/Heleno Vieira de Oliveira disse...

Manoel de Barros e tudo de bom na construção e descontruções de palavras, magia pura, gosto muito dele, tenha um belo fds, beijos !!!

J.F. de Souza disse...

"(...)percebi que o ínfimo é glória!"

Essa verdade é o que devemos ter sempre em mente! :)

Ah! Valeu pela visita ao Escúchame!

:*

Sonia Pallone disse...

Tudo o que é bonito vale um repeteco. Gostei muito, que as suas sementes plantadas preencham sua estrada de flores e perfumes...Bjs.

Bahh Grou. disse...

Que linsods versos Sylvia! E que bom é deixarmos às vezes as complexidades e apenas sermos, leves e lentos.
Muito belo!
Beijo.

LauraAlberto disse...

Ainda bem que resolveste postar de novo este texto!
Obrigada pela tua visita no blog, beijos
Laura

Jorge Pimenta disse...

manoelando... ou mesmo mia coutando :)

beijinho!

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"Talvez assim, e só assim, as árvores me brotassem."

Lindo Sylvia!!

beijo!

zuleid disse...

Desenraizar...por as raizes prá fora, expor as raízes...quer coisa mais visceral??
Beijos...até de borboletas!

. disse...

Grato por sua visita, Sylvia. Sobre as dores, realmente espero que um dia abram espaço para novas alegrias.

Belo espaço e belos textos por aqui. Voltarei.

Francy´s Oliva disse...

Boa tarde adorei a sua casa e principalmente esta parte...A complexidade caiu em desuso, agora.
No meu mundo eu vou é pintar violetas, pra ter - em eterno - beija-flores por perto...
Eu vou é desofrer em rios; desacostumar o cio.
Eu vou é desenraizar!

Mue disse muito no dia de hoje. bjs um ótimo final de semana.

Lisa Alves disse...

Lendo-a viajo nas asas de uma liberdade individual. Serei capaz de cantar no cárcere? Os passáros ainda o fazem.

saudações

Lisa

Assis Freitas disse...

Manoelar, verbo transitivo. De conjugação com o espanto e o delírio. abraço

Gabriela Castro disse...

Que lindo tudo isso aqui. Parabéns!
beijos

oquemeinferniza disse...

Olá Sylvia, adorei os versos... Combina mesmo esse tão desejado desenraizar com o verso do Manoel de Barros... Adorei também quando você diz: Prefiro hoje o nada, no lugar do tudo que me desorienta.
Lindas palavras.

Beijos e ótimo fim de semana

Líria

Késia Maximiano disse...

Q lindo!
E qd a gente republica, parece que vem com um novo tom, com um novo sabor..
:)
Beijosss

[P] disse...

Deu vontade de Manoelar também, Sylvia.

Um beijo!

Ivan disse...

"A complexidade caiu em desuso"... eu gosto disso. rsss Gosto mesmo.

Beijinhos.

Ivan.

Carlos Medeiros disse...

que história terrível a do Jorge, o sisudo, caladão.

A Moni. disse...

Simplesmente lindo.
Principlamente se "desenraizar" conjduzir ao vôo...
E que sejam doces as frutas que surgirem por aqui, Sylvia...

Adorei te ler hoje, outra vez!

Luna Sanchez disse...

A proposta é ótima, talvez seja o que eu preciso fazer...

Beijo, boa semana!

ℓυηα

Nydia Bonetti disse...

Manoelemos, pois. :) A imaginação é fruta. Outono é o tempo - agora. Beleza de poesia. beijoos

Em@ disse...

já disse adoro tudo o que seja manoelar e mia coutar...mas não desdenho o ondjaki(ar).
beijo, Silvia,
tens um selo à tua espera.

Em@ disse...

syl:
não sei se o outro comentário ficou. estou tão cansada que já não vejo direito.
tens um selo à tua espera.
beijo

Marcelo Novaes disse...

Sylvia,




Manoel de Barros é o "falso simples": só pode entortar as sintaxes, porque a conhece com sutilezas. O "carimbo"-Manoel inspira muita gente a tentar fazer parecido, ou dialogar com essa simplicidade, mimetizando-a. Na verdade, é a simplicidade pós-complexidade [ainda que ele preferisse ser a simplicidade do "matuto virgem de gramáticas"...]



Vc fez algo belo e não-tão-simples: Manoelou à altura.



:)



Parabéns!





Beijo.