Foto do blog: Mario Lamoglia

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Des-ânsia


Amanheceu bonita. Dia quente rompendo no peito, um sol inteiro iluminando afobado a pele fina e clara do rosto. Do outro lado da janela um vento cortante bailando anunciante o longo inverno - em tempos de La Niña não há nada mais a se esperar além das loucuras cometidas pelas estações. Há quem diga que assim enlouquecemos junto. Nada mal quando pensar em loucura é quase como uma abolição da escravatura. No aconchego do lençol macio cheirando à alfazema, sacudiu os pensamentos e esticou as pernas. A cama amolecida pelas noites revelando a marca intacta do corpo rijo entregue aos sonhos. Aquelas tantas lembranças, que - no fim - acabam sempre virando memórias pra dentes. A tatuagem dos amores já cicatrizados na fronha florida já ardeu mais. Hoje revela. E ela sorri confiante, do mesmo lado que tantas vezes foi invadido pelos mares dos olhos. O sal deixou nódoas no tecido amarelo e não há Omo-qualquer-coisa capaz de removê-las. Melhor que fiquem ali, feito foto de obeso emagrecido em porta de geladeira. Pra manter a saúde, tomou por hábito comer os nomes pela manhã. Trinta e três mastigadas e os nutricionistas garantem uma perfeita digestão - é o que dizem. José. Anselmo. Antônio. Lauro. Pedro. Maurício. Renato. Fernando. Sem nenhum líquido gelado entre um e outro pra ajudar a empurrar as dores garganta abaixo - dá barriga, dizem também. Pra evitar que a gastrite vire úlcera, melhor seguir as recomendações médicas. E ainda misturá-las com mel. Essa história de viver azeda já lhe causou transtornos demais. E escassez de poesia. Antes evitar a recaída que deitar todos os dias com os espasmos dos sexos que já lhe fizeram flamejar as curvas. Melhor compreender que o amor é logo ali, e não nas palavras anoitecidas dos dias que despencaram sem vida com o surgir da lua das mortes anunciadas. E deixar-se rodopiar de mãos dadas com o sopro frio que invade a nesga da janela entreaberta, enregelando os amores idos - nunca na espera - mas coração sempre aberto pro que há de vir. Porque borboleta parece flor que o vento tirou pra dançar. E as suas asas - na des-ânsia dos sentimentos - floriram enfim multicores. E estão mais que nunca prontas pra bater. E amar.

Sylvia Araujo




PS: Esse texto nasceu depois de ter lido o verso lindo entregue pela Renata Luciana, num dos tantos delicados posts dela no Estado de Entrega. O link está voando feito florboleta bem ali, no finalzinho das letras. Juntinho com todas as cores do amor - que há sempre de vir.

17 comentários:

Lara Amaral disse...

Quantas coisas intensas para colher, mas destaco esta: "A tatuagem dos amores já cicatrizados na fronha florida já ardeu mais."

Lindo, menina! E o verso da Renata eu já conhecia, uma preciosidade.

Beijo!

Valéria Gomes disse...

Hoje, vou dormir pensando nas tatuagens dos amores já cicatrizados. Muito bom!!!

Beijos de passarinho!!!

Dica Cardoso disse...

Querida,
Que bela alvorada me destes...
Agora estou a delirar! Olho para o céu e vejo borboletas ao invés de estrelas, ou será que são borbostrelas? Todas tem asinhas coloridas!!! Belo dilúculo o teu texto!
A-M-E-I
Abraços no coração!

Noe* disse...

Olá querida, não sei se sabe, mas toda segunda feira indico um blog com estilo diferente do meu. Gosto muito do seu blog e gostaria de saber se na próxima segunda posso indicá-lo aos meus seguidores!
Obrigada desde já
Um beijo =*

Por que você faz poema? disse...

E as asas nunca cansam de bater.

Juan Moravagine Carneiro disse...

cicatrizes, tatuagens, feridas...tudo preso dentro de uma bolha chamada amor banhada pela realidade...

agradecido pelas visitas ao Rembrandt

abraço

Renata Luciana disse...

Chuva molhando o rosto,rodopios nessa ciranda toda vez que venho aqui. Obrigada por tamanha delicadeza em conduzir meus pedaços de sentir por imenso céu.

Muitas florzinhas inspiradoras para ti.

beijos meus,

ju rigoni disse...

Que texto, Sylvia! Rico em poesia, acidez, e humor (finésimo). Adorei!

Renascer é mais que preciso.

Bjs e inté!

Anônimo disse...

Seus textos sempre assim intensos me fazem viajar nas imagens que essas palavras constroem. Adorei o texto, com todos os sentimentos misturados, na medida certa...Gostei das pitadas de humor.

www.oquemeinferniza.wordpress.com

Bjim
Líria

Andrea de Godoy Neto disse...

Sylvia, eu li e reli este texto ontem e só hoje vim comentar, porque é como se uma invisível mão remexesse minhas entranhas...
o texto é lindo, exorcisa, liberta a alma...e eu estou bem assim
"a tatuagem dos amores já cicatrizados na fronha florida..." me fez reter o ar,
mas "nunca na espera - mas coração sempre aberto pro que há de vir...(até o final)" me fez dar um longo suspiro e agitar as asas...

coisa linda!
fico imensamente feliz contigo por aqui

beijão

Andrea de Godoy Neto disse...

tá, agora vem a parte engraçada...
enquanto eu estava escrevendo aqui, foram entrando emails dos teus comentários no meu blog

e eu fui ficando tão, mas tão feliz, com tantas palavras boas junto, que já nem sabia o que te escrever...

tô com sorriso de rosto inteiro pra ti...

e, ou isso é a tal da sincronicidade, ou somos malucas mesmo :D

beijos imensos :*

(erros de português corrigidos...:o)

Marcantonio disse...

Quisera poder aplicar essa des-ânsia a todos os setores da vida. Apenas des-Ser para estar próximo do chão isento de nomes.
O verso é um achado, muito bonito. Aliás, vim caminhando do Estado de Entrega para cá. Esse mundo dá voltas.

Abraço.

ErikaH Azzevedo disse...

Delícia de post hein.

Menina, tu já pensaste eme screver um livro? Levas verdadeiramente jeito...um romance talvez....eu te leio com avidez no olhar , com olhos de fome, que espera o que virá na proxima linha. Lindo demais tudo o que acabei de ler!

Já dizia a clarice " borboleta é pétala que voa" né....e teu texto fez eu me sentir voando , de tão leve que fiquei.

Parabéns menina!

Beijos

Erikah

Amanda Teles e Tamillys Camilo disse...

OLá moça,
Gostei demais do teu blog!
Super mega LINDO!!!!
Estamos te seguindo!
Visita o nosso tb,acho q tu vai gostar...
Bjão ;)

Pedra do Sertão disse...

Muito belo seu texto. Belo e poético com a imagem da borboleta...parabéns. abraço

Em@ disse...

gostei no testo no seu todo embora tenha ficado presa a algumas imagens...
e fui conhecer o Estado da Entrega.
beijo SYl.
bom fim-de-semana.

Ilaine disse...

"Borboleta parece flor que o vento tirou para dançar..." Ah, Sylvia! Que frase mais bela. Todo o texto é intenso, sempre cheio de imagens que tocam e que ficam. Sua escrita é magnífica. Os detalhes se enrolam em palavras suaves e poéticas e fazem arte. Saudades daqui!