Foto do blog: Mario Lamoglia

domingo, 3 de abril de 2011

Muda sinfonia




É longe, a noite.
Ainda que aqui
- em mim -
é braço inteiro de distância
mais dois sorrisos
murchos.

É dentro, o escuro
que engole a chama tremulante
e vara
os dois pontos brilhantes
- equidistantes -
do teu céu.

Fecha os olhos
e canta,
que amanhã
azulo.

Sylvia Araujo

13 comentários:

Assis Freitas disse...

belo, belo

beijo

Em@ disse...

sylvia, há muito que não tinha aqui.tinha saudade.
fiz um poema há dias em que "chovi azul". eu quando azulo é porque deprimo. para mim o azul é tristeza, melancolia, tal como os blues dos negros americanos.
amei seu poema. foi bom ter estado aqui. beijo

Tania regina Contreiras disse...

Que amanhã azulo: belo! Azulo amanhã também, quem sabe...
Beijos,

Andrea de Godoy Neto disse...

Sylvia, às vezes acho que azular é meu destino, mesmo quando fico cinza, me espremo, me encolho e espero que o azul se refaça em mim.

belo poema!

beijocas

Roberta Fraga disse...

Lindo!!!

guru martins disse...

...o dia é
a noite
iluminada
de azul
claro...

bj

Tatá R. da S. disse...

Singelamente lindo!!!
=*

Inês disse...

bonito poema, hein?
um beijo!

Sonia Pallone disse...

Desatam-se as palavras, e numa queda veloz nascem tão belos poemas!

Bjs.

leila saads disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leila saads disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leila saads disse...

Alguns dias de tristeza.
O importante é a compreensão da companhia; uma hora assopra e ela (a tristeza) vai-se embora.

Beijos!

AC disse...

Já há muito tempo que não azulava por aqui. Ainda bem que cheguei a tempo desta beleza.

Beijo :)