Foto do blog: Mario Lamoglia

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

"Somente duas coisas são infinitas. O Universo e a estupidez humana. E eu não estou certo sobre o primeiro."
[Albert Einstein]


Em dias como esse, me permito o amargor. Não de quem desiste, mas de quem pára, observa incrédula, e insiste - ainda assim - no melhor de si mesma.
Tem dias em que desacredito piamente que esse mundo ainda se salve do incalculável destruir humano.
Tem dias em que sofro dores que ninguém imagina, tampouco eu. É um apertar no peito sem origem - nem direção. Um palpitar desenfreado sem peso, ou qualquer importância - a não ser a de quase fazer saltar pela boca o peito desarvorado.
Em dias como esse, me permito destruir a infiniteza do belo. Não que ela evapore e me abandone à minha própria sorte... mas que se esconde, se esconde - disso estou certa - para que o azedume não lhe embolore o viço de todo.
Tem dias em que a heroína é farsa; e não vislumbro quem salve dos males os rios, os mares, os lares.
Tem dias, escorro... Transpiro a estupidez de quem me empanturra diariamente com o seu pouco-ser, e ainda se acha muito. E quanta-tanta gente se vê maior do que é capaz de florescer!
Em dias como esse, só penso em chover. Gotejar torrencialmente pra, quem sabe - ao menos - sair de alma lavada.
E seguir adiante.

Sylvia Araujo

2 comentários:

Marcio JC disse...

Permita-se então chover, tornar-se tempestade. Um ditado chinês antigo diz que "é depois das tempestades mais negras, que vem a maior bonança"...

Lia disse...

Nesses dias...
Dias de doer. Chover é bom, aliás, ótimo - a única possível salvação.
Bom, pelo menos prá mim...rs
E jogar prá fora. Tudo! Não deixar nada guardado. Letras, pensamentos, desabafos da forma que melhor garanta a catarse.
Que funcione.
Andei chovendo também.rs...
Prazer em conhecê-la.
Vou voltar, tá?



Excluí um comentário por erro grotesco de concordância. É claro que os pensamentos vão muito mais rápido que o digitar- sempre deixo passar- mas dessa vez me incomodou mesmo!

Um abraço