Foto do blog: Mario Lamoglia

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Offline


Olhou no espelho depois de semanas ausente de si. A barba por fazer dizia das léguas de distância e da altura do muro que construiu ao redor. O fio branco e reluzente no meio da escuridão no alto da cabeça não era nada diante daqueles olhos sem vida. Eram seus, não havia dúvidas. Mas de quem seria aquela dor que não lhe doía, mas lhe havia matado? De quem seria toda aquela imensa falta de amor?


Sylvia Araujo

12 comentários:

Cris de Souza disse...

essa imagem fez zoom por dentro...

beijo, bela flor!

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

Do espelho que não espelhou tudo o que havia para ser revelado. Espelho meu, espelho meu...
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 22/11/2010

Sonhadora disse...

Minha querida

Muito belo sensível e verdadeiro.

Mas de quem seria aquela dor que não lhe doía, mas lhe havia matado? De quem seria toda aquela imensa falta de amor?

Como falou de mim...

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Solfejando poesia disse...

Minha querida...
Trazemos tantas dores que não são nossas por excelência... dores herdadas... dores genéticas... dores dos tais complexos edipianos que nos inventaram... dores de outrem...

Seu texto é revelador.

Beijos da Álly

Jéssyca Carvalho disse...

O reflexo do espelho parece falho diante do reflexo dos olhos...

Mas o que importa é entender, que, por vezes, é necessário sair de si, para encontrar-se com seus próprios sentimentos...

Amei!

Um beijo!

gguima disse...

Imensamente imenso. Profundamente profundo. Bão pra caramba!

Maria Rita disse...

Uau...senti até um arrepio!

Beijos pra Ti

Janaina Cruz disse...

A felicidade se ausenta de nós, quando estamos longe de quem amamos, mas tudo passa, logo um pouco de paz retorna para nosso lado.

Mimo Chic disse...

Essa imagem que reflete a vida real!
muito intenso, adoramos,
bjs
Lulu & Sol

Taynara.Tah disse...

*---*
Como sempre, pintando quadros.
Fiquei aqui, visualizando.
Pura poesia!

Lindo lindo!

Arnoldo Pimentel disse...

Muito bom mesmo seu texto. Saudades de você.

Tem selos de presente pra você no meu blog
Ventosnaprimavera.blogspot.com

Beijos

Marcelino disse...

Lindo. Uma imagem poetizada da solidão masculina, q é a solidão pior, pois traz consigo a opressão da cultura do macho q não pode ficar ensimesmado por tanto tempo.